Itália poderá pagar 1.000 euros por mês para mulher que decidir não abortar

  • 11/07/2024
Itália poderá pagar 1.000 euros por mês para mulher que decidir não abortar
Itália poderá pagar 1.000 euros por mês para mulher que decidir não abortar (Foto: Reprodução)

Na esteira de um projeto de lei para tornar a barriga de aluguel um crime universal na Itália, foi apresentado no Senado um projeto de lei para pagar 1.000 euros por mês a mulheres grávidas de baixa renda que concordarem em não fazer abortos.

Após o projeto de lei sobre barriga de aluguel ter sido aprovado pelo comitê de justiça da câmara alta na quarta-feira (03) e pela câmara baixa no mês passado, o texto recebeu uma emenda do senador Maurizio Gasparri.

Líder do Senado pelo partido de centro-direita Forza Italia, Gasparri disse que essa "renda de maternidade" era um "bom incentivo para proteger o feto".

Barriga de aluguel

A proposta de emenda que proíbe a barriga de aluguel estipula que o pagamento desse tipo de "prestação de serviço" seja considerado um delito passível de pena de prisão de quatro a dez anos, além de uma multa variando entre 600.000 e dois milhões de euros.

O projeto de lei apresentado pelo partido Irmãos da Itália, liderado por Giorgia Meloni, propõe classificar a barriga de aluguel como um "crime universal", aplicável inclusive em casos realizados no exterior.

Segundo o Il Globo, a proposta pretende encerrar de maneira controversa uma prática frequentemente adotada por casais gays italianos nos EUA e em outros países.

Outra medida restritiva proposta pela Liga diz respeito à penalização de funcionários públicos responsáveis pelo registro de crianças nascidas através da prática de barriga de aluguel.

Tanto Giorgia Meloni quanto Matteo Salvini, líder da Liga, condenaram a prática de barriga de aluguel, descrevendo-a como "abominável". Eles criticam esse método por, segundo eles, envolver o pagamento a mulheres supostamente vulneráveis e por privar as crianças de contato com suas mães biológicas.

Oposição ao aborto

A oposição de centro-esquerda está se mobilizando ativamente contra a aprovação deste projeto de lei.

O governo tomou uma decisão controversa ao permitir que ativistas pró-vida acessem e participem dos serviços de informação sobre o aborto, informou o Il Globo.

Realizar um aborto na Itália já é bastante difícil, uma vez que mais de dois terços dos médicos no país se opõem ao procedimento, citando razões morais ou religiosas.

FONTE: http://guiame.com.br/gospel/noticias/italia-podera-pagar-1000-euros-por-mes-para-mulher-que-decidir-nao-abortar.html


#Compartilhe

Aplicativos


Locutor no Ar

Anunciantes