'Cedendo a terroristas': ONU acata Talibã e proíbe afegãs de participar de suas reuniões

  • 01/07/2024
'Cedendo a terroristas': ONU acata Talibã e proíbe afegãs de participar de suas reuniões
'Cedendo a terroristas': ONU acata Talibã e proíbe afegãs de participar de suas reuniões (Foto: Reprodução)

Mulheres afegãs foram impedidas de participar das reuniões de alto nível entre o Talibã e os líderes das Nações Unidas, além de enviados especiais para o Afeganistão, realizadas no Catar no domingo (30).

O Talibã havia exigido previamente a exclusão das mulheres afegãs como condição para sua presença.

"A constante submissão da comunidade diplomática às exigências terroristas apenas reforça a visão do Talibã. Mulheres e meninas no Afeganistão vivem em uma prisão a céu aberto e são tratadas como menos que humanas. Sequestro, estupro, tortura e assassinato são realidades diárias para as mulheres sob o sistema de apartheid de gênero do Talibã", disse Jason Howk, diretor do Global Friends of Afghanistan, à Fox News Digital.

As reuniões se concentraram em tópicos como o crescimento do setor privado, restrições financeiras e bancárias, e tráfico de drogas, conforme relatado pela The Associated Press.

O principal porta-voz do Talibã, Zabihullah Mujahid, liderou a delegação das autoridades de fato do Afeganistão. Após as reuniões de domingo com o Talibã, os enviados especiais se encontrariam com mulheres afegãs e membros da sociedade civil.

"A ONU e qualquer diplomata ou nação que apoie a exclusão de mulheres das negociações em Doha para acomodar os desejos do Talibã e da rede terrorista Haqqani devem ser publicamente condenados. As mulheres do Afeganistão, que acreditam em direitos humanos para todos, devem estar presentes em todas as reuniões sobre o futuro do país. Os terroristas misóginos devem ser excluídos de qualquer conferência até que revertam suas posições sobre direitos humanos e terrorismo", reclamou Howk.

Ordens repressivas

O porta-voz da ONU, Jose Luis Diaz, assegurou à Fox News Digital que "nós – e espero que muitos dos enviados especiais – levantaremos os direitos humanos, particularmente os direitos das mulheres e meninas, em todas as discussões com o Talibã".

No entanto, Diaz não respondeu às perguntas sobre se os delegados abordarão especificamente a lista exaustiva de ordens repressivas do Talibã, como o uso forçado do véu, a proibição da educação para meninas após a sexta série e as restrições à capacidade das mulheres de viajar sem um acompanhante masculino.

Os participantes dos EUA incluiriam o Representante Especial para o Afeganistão, Tom West, e a Enviada Especial para Mulheres, Meninas e Direitos Humanos Afegãos, Rina Amiri. De acordo com o porta-voz do Departamento de Estado, Matthew Miller, West e Amiri "só se comprometeram a participar após garantir clareza sobre a agenda substantiva e, mais importante, confirmar que haveria um envolvimento significativo na conferência com mulheres afegãs e membros da sociedade civil afegã".

O Talibã declarou firmemente que não discutiria questões relacionadas às mulheres em Doha. Durante uma coletiva de imprensa no sábado em Cabul, conforme relatado pela Voice of America, Mujahid reiterou:

"Nossas reuniões, como a de Doha ou com outros países, não têm nada a ver com as vidas de nossas irmãs, nem permitiremos que interfiram em nossos assuntos internos."

Embora Mujahid tenha reconhecido que "as mulheres estão enfrentando problemas", ele observou que "são questões internas afegãs e precisam ser tratadas localmente dentro da estrutura da Sharia Islâmica."

Estupros e violência

Em uma entrevista publicada no X [antigo Twitter], a Representante Especial do Secretário-Geral para o Afeganistão e Chefe da Missão de Assistência da ONU no Afeganistão (UNAMA), Roza Otunbayeva, indicou como as questões das mulheres podem ser abordadas.

"A questão da indústria privada e do setor bancário e... política antinarcóticos, ambas são sobre as mulheres", disse Otunbayeva aos repórteres.

A UNAMA não respondeu às perguntas direcionadas a Otunbayeva sobre seus comentários e o escopo das discussões com o Talibã a respeito dos direitos das mulheres.

Desde que o líder supremo do Talibã, Haibatullah Akhundzada, instituiu a lei Sharia em todo o país em novembro de 2022, as mulheres afegãs têm sido alvo de ataques físicos em público por supostas violações dessa lei. Em 4 de junho, 14 mulheres na província de Sar-e Pul foram açoitadas publicamente por crimes como relações imorais, roubo e sodomia.

Alguns dos piores ataques a mulheres ocorreram em privado. Em seu Relatório de Direitos Humanos de 2023, o Departamento de Estado descreveu alegações de que mulheres estavam sendo estupradas em prisões do Talibã. Algumas foram supostamente forçadas a abortar após engravidarem enquanto estavam sob custódia. Outras teriam sido assassinadas após "ficarem gravemente doentes como consequência de repetidas agressões sexuais por membros do Talibã".

O chefe do gabinete político do Talibã em Doha, Suhail Shaheen, disse à Fox News Digital que as reportagens da mídia ocidental sobre as questões das mulheres "não refletem as realidades do Afeganistão". Ele explicou que "as meninas têm acesso à educação em instituições médicas e outros institutos de Darul Uloom em todo o país". No entanto, Shaheen não respondeu às perguntas de acompanhamento sobre quantas meninas recebem essa educação ou como se espera que elas se qualifiquem para o ensino superior no futuro, já que sua escolaridade cessa após a sexta série.

Shaheen também disse que os relatos de estupros em prisões são "meras alegações e acusações. Aqueles por trás dessas acusações querem abrir caminho para o asilo das [mulheres afegãs] no Ocidente. Espero que aqueles que estão no comando dos assuntos no Ocidente não sejam mais enganados por alguns meios de comunicação tendenciosos."

‘Conluio com o Talibã’

A jornalista Lynne O'Donnell, ex-chefe do escritório de Cabul da AP e da Agence France-Presse, escreveu para o Spectator sobre as investigações envolvendo membros do Talibã que estupraram mulheres afegãs presas.

Ela disse à Fox News Digital que "escreveu sobre uma história que continha alegações credíveis que estão sendo investigadas pelo Relator Especial da ONU para os Direitos Humanos no Afeganistão e que foram mencionadas pelo Departamento de Estado... A acusação de que isso é propaganda ocidental é apenas mais uma manobra do Talibã."

Em 2022, enquanto viajava pelo Afeganistão para relatar as mudanças no país desde a tomada do poder pelo Talibã, O'Donnell foi detida e investigada pelo grupo. O Talibã a forçou a se retratar publicamente de suas reportagens anteriores sobre os crimes cometidos pelo grupo, incluindo alegações de que o Talibã havia forçado mulheres a se casarem. Somente após essa retratação, ela foi autorizada a deixar o país.

O'Donnell também afirmou: "A ONU, os EUA, a UE, o Reino Unido e a comunidade internacional em geral estão em conluio com o Talibã, como sempre fizeram. A resistência deles contra minhas reportagens é a prova de que eles preferem conspirar com um grupo de terroristas que são assassinos, traficantes de drogas, criadores de viúvas, assassinos de crianças, mentirosos e misóginos."

Bill Roggio, membro sênior da Foundation for Defense of Democracies e editor do Long War Journal, disse à Fox News Digital que o pessoal da ONU em Doha não deve subestimar seus parceiros de negociação. "A liderança do Talibã superou os EUA nas negociações, organizou a expulsão dos EUA do Afeganistão e tomou o controle do país antes mesmo que os EUA pudessem sair." Roggio considera esses acontecimentos como sinais de que o grupo é "organizado, unificado e sofisticado."

Otunbayeva disse aos repórteres que o Talibã "veio das batalhas, das montanhas" e que "não é fácil entregá-los imediatamente às pessoas que se sentariam e aceitariam." Em suas reuniões com ministros de fato, Otunbayeva relatou que alguns membros do Talibã afirmam apoiar o acesso das meninas à educação e alegam que a proibição foi imposta por superiores.

Roggio disse que Otunbayeva "caiu na mesma armadilha que muitos apologistas do Talibã: ela está regurgitando pontos de discussão do Talibã dados a portas fechadas que dão a aparência de um Talibã moderado disposto a dar direitos às mulheres. O Talibã permanece unido na questão de oprimindo as mulheres, e eu a desafio a nomear um líder influente que discorde."

Os talibãs não foram convidados para a primeira cúpula de Doha, realizada em maio de 2023. Eles se recusaram a participar de uma segunda conferência, em fevereiro, após o secretário-geral da ONU, António Guterres, afirmar que o grupo havia imposto condições que "nos negaram o direito de falar com outros representantes da sociedade afegã" e exigido um tratamento que seria, em grande medida, semelhante ao reconhecimento."

Stéphane Dujarric, porta-voz do secretário-geral, disse aos repórteres na semana passada que “de forma alguma qualquer uma das reuniões entre funcionários da ONU e os enviados deve ser vista como um reconhecimento oficial do Talibã como governo ou como uma legitimação”.

FONTE: http://guiame.com.br/gospel/noticias/cedendo-terroristas-onu-acata-taliba-e-proibe-afegas-de-participar-de-suas-reunioes.html


#Compartilhe

Aplicativos


Locutor no Ar

Anunciantes